Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem não conhecia, saiam enquanto é tempo...Para quem já conheceu, puxem duma cadeira...Vem aí a versão 2.0...

Encontros sanitários de 3º grau

 

O trono de um homem é sagrado. Assim o é desde os primórdios da humanidade.

Fosse um monte de silvas no tempo do Homo Sapiens ou um gajo com um penico atrás no belo tempo do Louis XV (tão bem dado a conhecer no filme A mais louca história do mundo do Mel Brooks). O homem quando está em casa desfruta desse quality time. Joga Angry Birds no telemóvel, admira o fino recorte dos azulejos da casa de banho, a suavidade da folha dupla do papel higiénico ou se estiver com prisão de ventre, agarra em alguma coisa escrita pela Margarida Rebelo Pinto que a coisa costuma fluir naturalmente.

Fora de casa a coisa muda de figura. Primeiro, porque qualquer ser humano com meio amendoim na tola não anda com Margarida Rebelo Pinto a tiracolo a não ser que pretenda cometer suicídio. Depois, porque há quelque chose de ficção científica no facto de um gajo ter de recorrer a uma casa de banho pública para mandar um fax para Tóquio.

Em 60% dos casos, parece que estamos a entrar num local onde explodiram meia dúzia de Aliens que passaram os últimos anos a comer ao almoço chouriço com feijão e ao jantar chili com carne...

Outros 20% dos casos, são muito similares aos primeiros com a pequena nuance e bónus de que temos anúncios da secção de relax do Correio da Manhã espalhados por todo o diâmetro da porta, o que sempre distrai um gajo da tarefa em questão.

Existem ainda 10% de casos em que se deparam perante...um buraco! Yes, ladies and gentlemen. Um razoável e circular buraco. Lembram-se da feira popular em que haviam jogos em que tinham 5 bolas para acertar num sacana e minúsculo buraco? O conceito é mais ou menos esse...

E os últimos 10% são os afortunados. Aqueles que se deparam perante loiça sanitária limpa, papel higiénico ao dispôr, um silêncio sepulcral. Todo o mood desejado para...bem, cagar! Porque um homem aliviado, é um homem feliz.

Recentemente pertenci aos afortunados 10% (graças a deus, senão estava com uma prisão de ventre dos diabos...). Ou assim pensei.

Estava eu sossegado na minha tarefa quando ouço em altos decibéis do lado de fora...

- Está alguém aí dentro??? - dizia uma voz ligeiramente feminina com um toque de comando saída de Tancos.

Fiquei calado. Por norma até sou uma pessoa extrovertida (e já o fui em casas de banho...) mas não neste contexto de calças para baixo. E a senhora volta à carga.

- Se estiver aí alguém, não quero saber. Vou entrar, esteja com o dito cujo na mão ou não!!!

Verdade seja dita, já tinha terminado o meu serviço. Saí, lavei as mãos e cruzei o olhar com a rapariga encarregue das limpezas que me fitava de cima a baixo.

- Se o senhor estava ocupado, podia ter sito alguma coisa... - disse ela.

- Sabe, sou tímido.Apanhou-me num momento de extrema concentração...

- E fez o que pretendia? - perguntou ela a rir-se.

- Sim, um verdadeiro Nirvana...

Há momentos muito estranhos na vida de uma pessoa...

Sim, admito...

 

Fui dar uma vista de olhos ao Surface RT da Microsoft.

É giro.

Tem pinta.

Mas apesar de ser Dia dos Namorados, não foi um daqueles encontros imediatos de me deixar de pernas a tremer e coração a palpitar. Afinal de contas, já estourei tanto computador na minha vida que a próxima vítima a vir para as minhas mãos tem de ter no mínimo um colete de kevlar e capacidade de levitação. Porque os últimos dois tiveram um encontro imediato com o estuque da parede. Not a pretty sight...

Emoção/Razão/Emoção f*cking all over again?

 

Hoje em amena cavaqueira veio ao lume da conversa esta questão.

Todos sabemos que com o passar dos anos (e por norma com uns quantos desgostos à mistura) é usual ver pessoas mais dadas para o lado sentimental tornarem-se mais racionais (que é como quem diz, autênticos calhaus de granito em redor do coração).

O busílis da questão residiu no seguinte... Será possível alguém que um dia foi um ser mais sentimental e que se rendeu ao seu lado mais racional, voltar ao seu lado mais emocional como se nada se tivesse passado?

Não é de todo habitual, mas a resposta é sim. O ser humano não foi criado para ser eremita. No entanto, também não foi criado para ser idiota. Ou seja, o equilíbrio é uma porra de alcançar. É quase preciso 5 anos de permanência no Chapitô só para aprender a arte milenar do malabarismo, que por sua vez nos vai permitir o equilíbrio emocional para lidar com a parte racional e sentimental.

Há que valorizar quem entra em território mental familiar pela segunda vez. Implica coragem, determinação e uma verdadeira dose cavalar de loucura. É um pouco a sensação de ir levar o cão a fazer uma mija para a zona desmilitarizada entre as Coreias. Sabes onde estás, que te arriscas a levar um balázio de qualquer um dos lados e pior, o cão pode mijar para cima de uma mina e passas a ser Chao Min numa questão de segundos.

O ser humano é um bicho complexo...

Auf Wiedersehen, Bento XVI...

Este Sumo Pontífice passou-me a milhas.

Uns dizem que a renúncia é um acto de coragem, outros dizem sem papas na língua que é um acto de cobardia.

Não me meto em discussões sobre religião. Mas tenho a minha opinião. Nunca gostei deste gajo. Não gostei das jogadas de poder que o levaram a ser Papa. Nunca revi as minhas crenças religiosas (caso não saibam sou católico não praticante) num fulano que calçava sapatinhos Prada. Se calhar estava mal habituado. Continuo a dizer passados estes anos todos que a Igreja nunca voltará a ter alguém com o perfil de Karol Józef Wojtyła.

Foi perfeito? Não.

Reuniu consenso? Não.

Mas foi de longe o Papa que mais fez por aproximar a Igreja Católica de todas as pessoas, independentemente dos seus credos religiosos.

E isso é impagável.

 

 

Depois das pipocas amargas que dão tusa, agora surgem as envernizadas e amanteigadas...

Sempre fui apologista de que existem coisas que não se devem misturar.

Vinhos de qualidade e gasosa.

Bebedeiras de caixão a cova e condução.

Filipa Vacondeus e sado masoquismo.

Líquidos altamente inflamáveis e isqueiros acesos.

Sexo desenfreado e camas de faquir...Sério, não tentem isto...Entra um bocado na onda do masoquismo mas sem a Filipa Vacondeus mencionada ali em cima...

Hoje acrescento mais uma à lista...

Pipocas, vernizes e manteigas corporais...

As 3 coisas em separado são bastante razoáveis. Já fui barrado (não era com manteiga embora o contexto tivesse o seu quê de culinário)...Os vernizes que conheço têm mais a ver com recuperação de móveis, mas posso dizer que davam uma moca de todo o tamanho...E pipocas...Bem, um homem que seja capaz de fazer pipocas com um bago de milho e um umbigo feminino tem de ser respeitado, certo? Certo...

As 3 coisas juntas...não!

Chamem-lhe marketing, criatividade, até mesmo saber financeiro.

A mim parece-me a uma mistura de Hello Kitty (marketing) com Margarida Rebelo Pinto (pouca criatividade) e com uma pitada de manteiga de cacau lá pelo meio (porque isto de saber fazer cacau tem muito que se lhe diga...).

Deve ser por isto que eu não sou rico. Limito-me a escrever e sinto-me feliz dessa forma. Oh, well... :)

A estupidez humana nunca deve ser subestimada...

Porque há sempre um idiota que teima em desafiar os limites da mesma.

Vejamos o seguinte exemplo...

Eu gosto dos amigos decanos. Tipo, aqueles que só dão sinal de vida de década a década. Bem, também gosto daqueles que se oferecem para desentupir os canos com soda cáustica, mas não são desses que agora falo. Os que só dão sinal de vida de 10 em 10 anos têm um padrão. Por norma, precisam de algo. Algo valioso, importante, que apenas tu podes facultar naquele momento exacto da vida.

Passaram aproximadamente 10 anos desde o último "amigo". Estava na hora...

TCHA-RAMMM!!!

E eis que aparece um desaparecido em combate. Primeira pergunta idiota...

- Então, como estás? Já lá vai muito tempo...

Pois...Muuuuuito tempo. Demasiado. Vem aí bomba...

- Preciso de um favor teu...

Ora aqui está...Tenho de começar a cobrar caro os favores...

O resto é irrelevante.

Os anos fizeram-me bem. Não só foram generosos em cabelos brancos como alguma sabedoria em como lidar com chicos espertos. E graças a Deus, isenção de necessidade de uso de Viagra o que é sempre de louvar também.

As pessoas não aprendem...

Uma caixinha catita que permite pesquisar as entranhas dos últimos anos de posts. Muito útil, principalmente porque nem eu já me lembro de metade do que escrevi...

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728

Licença

Licença Creative Commons
Este obra para além de estar razoavelmente bem escrita (se assim não fosse, não havia tanta gente a plagiá-la), está também licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D